segunda-feira, 28 de novembro de 2016

O Reencontro de Carina e André: a grande virada de "Pai Herói"


     Com o anúncio da estreia de "Pai Herói" no Viva, criei as melhores expectativas em relação à trama de 1979. Eu já tinha uma imensa curiosidade em assisti-la devido a sua excelente trilha sonora internacional ("Sharing The Night Together", Dr. Hook, é minha canção preferida) e a chance de conferir esse clássico de Janete Clair, na íntegra, era imperdível.

     No ar, após os dois primeiros capítulos empolgantes, o entusiasmo pela trama protagonizada por Tony Ramos e Elizabeth Savalla foi se esvaindo conforme a história seguia. Logo, "A Gata Comeu" estreou e, sorrateiramente, engoliu meu coração e monopolizou para si toda a atenção. E "Pai Herói" ficou um pouco de lado, embora eu ainda acompanhasse os principais acontecimentos pelas matérias do site do Viva e pela internet rede à fora.

    Sim, estava um pouco decepcionado. Além dos personagens pouco carismáticos (apenas a protagonista Carina alimentou um pouco meu interesse pela novela; a ingenuidade exorbitante de André me irritou extremamente), eu não sentia ligação com a história e também não sentia conexão entre as histórias de Carina e André. E para mim isso era incomum, pois eles formavam o casal protagonista! E, no entanto, apenas se encontraram nos dois primeiros capítulos... Por que estavam tão distantes um do outro a ponto de parecer estar assistindo duas novelas em uma?

    Há pouco tempo, em uma das inúmeras matérias sobre "Pai Herói" na internet, soube que na época da exibição original da novela, a autora Janete Clair havia definido desde o início que André terminaria história nos braços de Ana Preta (Gloria Menezes), mas que diante da boa recepção do público com o casal #Andrina (ou #Caridré?), ela resolveu mudar o destino deles. Diante de inúmeras cartas e ligações, Janete Clair não teve saída e, pela primeira vez, mudou o destino dos personagens para agradar aos telespectadores (obrigado, público de 79!). Foi por essa descoberta que entendi o motivo de eles quase nunca se encontrarem. Os intérpretes, Tony Ramos e Elizabeth Savalla, já haviam contracenado como casal na novela anterior de Janete Clair, "O Astro" (1977), na qual interpretaram, respectivamente, Marcio Hayalla e a taxista Lili e obtiveram o mesmo êxito.

     Pelo menos há duas semanas, cheguei a comentar nas redes sociais o quanto estava descontente com a trama e um amigo e seguidor, que assistiu a novela, disse que ela só engrenava a partir do capítulo 32, onde aconteceria o reencontro de Carina e André. André entraria escondido no apartamento da bailarina e a renderia, pois estaria fugindo da polícia pelo assalto a um supermercado, que ele acabara se envolvendo sem saber (olha a ingenuidade da criança!), por influência do "amigo", o tratante do Pepo (Osmar Prado) e mais um comparsa. Rendida, Carina ajuda o atrapalhado André a se esconder da polícia, mas não o reconhece e nem se lembra que já foi salva por ele em Paço Alegre. Ela estava sozinha em seu apartamento, se embriagando, totalmente deprimida por ter perdido a guarda de sua filha, Ângela, para o ex-marido, César (Carlos Zara).

     E, finalmente, neste eletrizante capítulo, que fiz questão de assistir, que tornei a acompanhar "Pai Herói". Agora, conto os segundos para desfrutar de mais um capítulo e descobrir como vai se desenrolar essa história. Ficou nítido a mudança de ares da novela. É como se as peças do quebra-cabeça finalmente começassem a se encaixar!

     Para finalizar, não posso deixar de elogiar a parceria de Tony Ramos e Elizabeth Savalla em cena. O reencontro dos dois e a forma como tudo inesperadamente aconteceu, cada um com seus problemas, as dúvidas... enfim, um gancho e tanto para uma história arrebatadora, clássica e vibrante.

Mesmo sem se darem conta de que estão apaixonados, André e Carina se beijam. (Imagens/reprodução/TV Globo/CanalViva)


domingo, 20 de novembro de 2016

[Lembranças] Os 10 anos da novela "Pé na Jaca"


     E lá se vão dez anos desde a estreia de "Pé na Jaca" no horário das sete, na Globo. No dia 20 de novembro de 2006, a trama escrita por Carlos Lombardi e dirigida por Ricardo Waddington estreou com missão quase impossível de manter os ótimos índices de audiência e a repercussão de "Cobras & Lagartos" - novela anterior no horário. Bem, ela não chegou muito perto da meta estabelecida, mas também não fez feio e conquistou uma legião de fãs e até hoje é lembrada com muito apreço pelos mesmos.

     Antes da estreia, eu confesso que fiquei com um pé atrás com a novela. Acredito que o motivo era a implicância que sempre tive com o trabalho do autor da novela. Até então eu não havia apreciado suas novelas e séries/minisséries. Inclusive, algumas delas estão na lista das que eu mais detestei até hoje. Com exceção, é claro, daquelas que ainda não assisti, como "Vereda Tropical" (1984) - essa eu tenho certeza que vou gostar -, "Bebê a Bordo" (1988) e "Perigosas Peruas" (1992).

     No ar, "Pé na Jaca" me conquistou de imediato. A começar pela divertida abertura, que mostrava a animação dos animais em uma fazenda, enquanto aprontavam todas, dançando e cantando ao som de "Eu Ando OK", na voz de Zizi Possi. É uma das mais marcantes e uma das minhas preferidas.

     Em seu desenvolvimento, "Pé na Jaca" se mostrou uma novela leve, ágil, extremamente engraçada e com um enredo muito interessante. Basicamente se tratava do reencontro de cinco amigos de infância: Arthur (Murilo Benício), Maria (Fernanda Lima), Elizabeth (Deborah Secco), Guinevere (Juliana Paes) e Lancelotti (Marcos Pasquim), que após 25 anos voltavam à Deus me Livre, no interior de São Paulo, dispostos a recomeçar suas vidas. Mas a morte do homem mais rico da região, o Último Botelho Bulhões (Fulvio Stefanini) e o mistério sobre o seu herdeiro desencadeou uma caça à fortuna, temperada por divertidas confusões amorosas.

     
     A trilha sonora também é merecedora de elogios. Para a novela, a Globo lançou apenas um álbum, cuja capa era estampada por alguns dos animais que fizeram sucesso na abertura. Foi uma grande ideia! Composto por 17 faixas, o álbum reunia grandes nomes da música brasileira, como Caetano Veloso, Marisa Monte, Lenine, Milton Nascimento, Elis Regina, Ângela Rô Rô e Maria Bethânia. Aliás, Bethânia interpretava a minha canção preferida na novela, "Cheiro de Amor", que embalava o atrapalhado romance de Lancelotti e Maria.

      Quando estreou, "Pé na Jaca" dividiu a grade da Globo por um bom tempo com dois grandes sucessos que estavam no ar, na época: a romântica e espiritualista "O Profeta", exibida às seis; e a dramática "Páginas da Vida", às oito. No Vale a Pena Ver de Novo, "Chocolate com Pimenta" ganhava sua primeira reprise, sendo substituída por "Era Uma Vez..." dois meses depois.

     Com um final harmonioso, "Pé na Jaca" teve seu último capítulo exibido em uma sexta-feira, dia 15 de junho de 2007, totalizando 179 capítulos ao longo de sete meses. Foi substituída por "Sete Pecados", novela de Walcyr Carrasco e com direção de Jorge Fernando, que estreou na segunda-feira seguinte.

sábado, 19 de novembro de 2016

[Resenha] "O Casamento", por Nelson Rodrigues

     Um livro extremamente polêmico, "O Casamento" foi publicado há 50 anos. E no mesmo ano, menos de dois meses após seu lançamento, o romance de Nelson Rodrigues teve sua circulação proibida. Era uma época ditatorial e "O Casamento" era considerado como "um atentado contra a instituição da família", subversivo e indecoroso.

     No mês de agosto, "O Casamento" foi indicado pela escritora Heloisa Seixas como o livro do mês da TAG - Experiências Literárias, um clube de assinaturas de livros do qual passei a fazer parte há pouco tempo.

     Por nunca ter lido qualquer livro de Nelson Rodrigues e pela história ousada e instigante, encomendei meu kit à TAG e embarquei na trama, cuja resenha você pode conferir nesta postagem:

domingo, 13 de novembro de 2016

[Sinopse] "À Primeira Vista", por Nicholas Sparks

     Sequência do romance "O Milagre", o livro "À Primeira Vista" entra para a lista dos romances de Nicholas Sparks que ganharam uma nova edição - dessa vez com uma capa mais bonita e contextualizada, como vem acontecendo com a maior parte dos livros lançados pela editora Arqueiro e alguns títulos publicados por outras editoras.

     Assim como "O Casamento", que também foi contemplado com uma nova edição, "À Primeira Vista" retrata as complexidades do matrimônio, mas fala basicamente sobre a importância da confiança entre o casal, levantando a questão: será que de fato é possível amar alguém à primeira vista?

sábado, 12 de novembro de 2016

[Sinopse] "O Casamento", por Nicholas Sparks

     Escrito por Nicholas Sparks e publicado no Brasil em 2012, o romance "O Casamento" acaba de ganhar uma nova edição da editora Arqueiro. 

     O autor já afirmou que "O Casamento" não é propriamente uma sequência de "Diário de Uma Paixão"; e sim, a história da geração seguinte à de Noah e Allie.

     Focada na tentativa do personagem Wilson em reconquistar o amor de sua esposa, Jane, o empolgante romance comprova a genialidade de seu autor, com um final carregado de muitas surpresas e grandes emoções, transmitindo uma mensagem de esperança e renovação.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

2016 não termina sem que eu leia "O Regresso"!


     E o ano de 2016 está quase terminando. De seu início até agora, li um bom número de livros, acompanhei muitas histórias, conheci diversos personagens... E até o fim do ano pretendo ler mais alguns títulos. E é sobre um deles que comentarei hoje.
      Seguindo com o projeto BLC - Blogagem Literária Coletiva -, o tema desse mês de novembro está relacionado com as metas que estabelecemos durante o ano:

"Dezembro está chegando, e com ele o corre corre do fim do ano. Mas ainda dá tempo de colocar em prática algumas das promessas de início de ano. O que você ainda quer fazer este ano? Ler aquele livro? Conhecer a escrita daquele autor? Concluir um projeto literário? Afinal, 2016 não acaba sem que eu..."

     Com o tema proposto, a primeira ideia que veio em minha mente foi falar sobre um livro que tenho muita vontade de conhecer desde o seu lançamento (12/01). Trata-se de "O Regresso". Escrita por Michael Punke, a obra se tornou conhecida no Brasil por sua adaptação cinematográfica - dirigida por Alejandro González Iñárritu -, estrelada por Leonardo DiCaprio, que foi a grande vencedora do Globo de Ouro nas categorias Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Ator Principal.


      Além disso, "O Regresso" rendeu diversas indicações ao Oscar, sendo premiada nas categorias de Melhor Ator, Melhor Diretor e Melhor Fotografia. Essa foi a primeira vez que DiCaprio levou a estatueta do Oscar para casa, após 5 indicações. O ator, que hoje (11/11) completa 42 anos, interpreta Hugh Glass, caçador da Companhia de Peles Montanhas Rochosas atacado por um urso-cinzento e depois abandonado pelos companheiros, que levam suas armas e suprimentos. Entre delírios, Glass é tomado por um único desejo: vingança.

     "O Regresso" foi publicado no Brasil pela editora Intrínseca, traduzido por Maria Carmelita Dias. Com sua impressionante sinopse, o livro entrou para minha lista de futuras leituras desde quando soube de seu lançamento. E por esse motivo, 2016 não termina sem que eu leia "O Regresso" (risos)!

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

[Sinopse] "O Amor em Primeiro Lugar", por Emily Giffin

     Emily Giffin, famosa por escrever histórias que melhor retratam a vida moderna, as relações familiares e os dilemas pessoais, acaba de ter mais um livro lançado no Brasil pela editora Novo Conceito.

     "O Amor em Primeiro Lugar" narra a trajetória de duas irmãs, Josie e Meredith, que, após uma tragédia familiar, veem suas vidas mudarem gradativamente. Uma fascinante história sobre família, amizade e a coragem de seguir o próprio coração.

O tempo é uma coisa complicada. Quando você quer aproveitar algo, o tempo passa voando. Quando você quer superar algo, ele se arrasta eternamente.