sábado, 20 de agosto de 2016

[Resenha] "A Geografia de Nós Dois", por Jennifer E. Smith

 Ficar preso dentro de um elevador durante um apagão não deve ser agradável, não é mesmo? Mas para os personagens Lucy e Owen, o que era para ser desagradável, acabou transformando a vida dos dois de forma definitiva. Em "A Geografia de Nós Dois", romance de Jennifer E. Smith, lançado pela editora Galera Record neste ano, a distância é o maior obstáculo para o amor entre dois jovens.

     Nem Owen, nem Lucy foram os mesmos depois de terem se conhecido naquele momento enfadonho. Ambos moravam no mesmo prédio em Nova York, mas nunca haviam se falado. Porém, tudo muda a partir de então. Sem notarem com clareza o que estão sentindo, ambos se tornam grandes amigos. Mas a amizade criada pelos dois poderia estar com os dias contados. Owen se muda de Nova York e Lucy também estava prestes a viver em outro país. Embora se correspondessem por meio de cartões e mensagens eletrônicas, em cada lugar onde viviam, Lucy e Owen sentiam cada vez mais que alguma coisa estava faltando. E o sentimento que os unia, apesar da distância, crescia cada vez mais. Até quando eles deixariam que a geografia os separassem?

     Tentando quebrar um pouco a sequência de livros lidos das mesmas editoras de sempre (Arqueiro, Intrínseca e Novo Conceito), resolvi variar. Ao ler o título de "A Geografia de Nós Dois" no site da Galera Record, fiquei bastante curioso para saber do que se tratava. E achei engraçado, pois estava prestes a ler outro livro com título parecido, "A História de Nós Dois", mas com temas bem diferentes. Apesar da curiosa semelhança, adicionei à lista "Quero Ler".

      A sinopse, assim como o título, ganhou minha simpatia. Então, criei as melhores expectativas possíveis a respeito do livro. Não havia muito no que me basear, afinal, a autora era desconhecida por mim, e as referências aos seus outros romances eram muito boas. Ou seja: não havia motivos para ficar com pé atrás na leitura.

     Porém, "A Geografia de Nós Dois" se mostrou bem diferente do que eu esperava. Bem, seus personagens são muito bem desenvolvidos, suas tramas são bastante críveis (até demais, ouso dizer), mas mesmo assim o livro deixou bastante a desejar; pelo menos para mim foi o que aconteceu.

     Depois de um início promissor, um pouco depois que Lucy e Owen se separam, achei que a história ficou muito arrastada e monótona. Uma sucessão de descrições irrelevantes e acontecimentos sem nenhuma importância tomaram conta do livro e eu não via a hora de terminá-lo logo. Algo que me marcou negativamente no livro foi as intermináveis exposições dos países por quais os personagens passaram. Acabou virando uma aula chata de Geografia, e olha que eu gostava muito dessa matéria, hein! Talvez se a autora tivesse dado ainda mais ênfase nas relações dos protagonistas com seus pais e com as outras pessoas com que eles se relacionaram ao invés de descrever os lugares e os costumes, as coisas teriam sido diferentes. Mas se levarmos em conta o título, talvez, tudo que eu não curti na história, fosse exatamente o que a autora queria passar? Não sei, mas não me agradou.

     E para compensar seu triste desenvolvimento, até que achei o final muito bacana. Li as últimas páginas com certa rapidez, devido ao meu súbito interesse na história, após dias querendo abandoná-la.

     Mas não desisto de Jennifer E. Smith. Pretendo conferir outros de seus romances: "A Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista"  (2013) e "Ser Feliz é Assim" (2014), todos os dois lançados pela Galera Record.

     Com um início promissor, desenvolvimento maçante e um final empolgante, "A Geografia de Nós Dois" termina abaixo das minhas expectativas, mas com grandes ensinamentos. E apesar da experiência não muito animadora, seu enredo diferente e seus personagens cativantes fizeram valer a pena.

Nota:   

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

[Resenha] "A História de Nós Dois", por Dani Atkins

     Após a excelente experiência com o primeiro livro de Dani Atkins, "Uma Curva no Tempo", lançado pela editora Arqueiro no ano passado, nada mais natural que nós, leitores, tivéssemos interesse em conhecer outras obras da autora.

     Quando pesquisei sobre a carreira de Dani Atkins, outros dois livros escritos por ela me chamaram atenção, entre eles o "Our Song", que pelo pouco que li sobre ele, me pareceu bastante envolvente; logo imaginei que ele seria o próximo a ser lançado no Brasil. Mas quando entrei em contato com a editora, eles me informaram que "A História de Nós Dois" já estava com lançamento marcado. Mesmo assim fiquei contente, pois ele também me pareceu um livro bastante interessante.

     Após o lançamento de "A História de Nós Dois", eu o adquiri imediatamente, embora precisasse adiar sua leitura em alguns meses, pois haviam outros títulos na lista de espera para serem lidos há mais tempo.

     O livro conta a história de Emma Marshall que, ao retornar de sua despedida de solteiro com suas melhores amigas, Amy e Caroline, sofre um grave acidente, quase perde a vida, mas é salva por Jack Monroe, um escritor que, por sorte, estava passando pela estrada poucos minutos após o acidente. Desde o momento em que Jack retira Emma do carro que estava prestes a explodir, a nossa protagonista sente uma estranha ligação com o forasteiro, que está na cidade apenas por um tempo até finalizar as pesquisas para o seu próximo romance. Emma atribui esse novo sentimento ao fato de Jack ter salvo sua vida, mas no fundo, ela se sente aliviada quando ela e seu noivo, Richard, decidem adiar o casamento devido às consequências do acidente.

      As semanas se passam e Emma fica cada vez mais envolvida por Jack, e sabe que o sentimento por ele é recíproco. E isso fica ainda mais evidente quando segredos do passado a atingem como uma forte onda, que abala tudo aquilo que ela imaginava ter construído durante toda sua vida. Mesmo assim, Emma não consegue decidir que caminho deve seguir. Apesar de de sua relação com Jack lhe causar sensações que ela nunca sentiu na vida e ser o único que a entende, é com Richard que ela estava prestes a se casar, e é ele quem ela sempre amou, desde criança.

      Quem conhece o estilo de Atkins, sabe que essa história aparentemente clichê nas mãos da autora rende momentos de drama, tensão, suspense e descobertas surpreendentes. Acredito que é impossível não criar boas expectativas. E, de fato, foi o que aconteceu. Não acreditei que "A História de Nós Dois" me surpreenderia mais que "Uma Curva no Tempo", mas confesso que chegou muito próximo disso.

      "A História de Nós Dois" já começou provocando fortes comoções. Algo que não está previsto na sinopse acontece, me causando espanto nos primeiros capítulos. Tal fato nos deixa apreensivos para saber o que acontece a seguir, de modo que a leitura flui de forma extremamente rápida. 

     Além da trama central, outro tema retratado no romance é a Alzheimer. E isso faz com que o livro fique ainda mais emocionante, pois é retratado com muita delicadeza. É uma das partes que nos deixa mais sensibilizados, porque, mesmo na ficção, é enternecedor ver uma personagem com um passado grandioso, repleto de conquistas, ter suas memórias e outras importantes funções cognitivas sendo danificadas gradativamente.

     Mas não é só de momentos de melancolia que vivenciamos na leitura de "A História de Nós Dois". As situações cômicas também estão presentes. Monique, a proprietária da livraria onde Emma trabalha é uma das principais responsáveis pelos momentos de humor do romance, além da própria Emma, que arranca boas risadas em algumas situações, digamos, constrangedoras.

      De aspectos negativos, não há muito o que dizer. Apenas o quanto achei o personagem Richard insuportável. Sério, dava vontade de jogar o livro longe quando ele se comportava da forma mais cretina possível. Aliás, as partes mais chatas eram exatamente nas cenas em que ele estava presente. Nem mesmo suas boas atitudes no final (que me soaram bastante suspeitas, aliás) me tiraram a péssima impressão que fiquei dele.

     Uma importante lição que podemos tirar de "A História de Nós Dois" é que não devemos fazer escolhas na nossa vida pensando apenas na felicidade de segundos e terceiros. Pode parecer egoísta, mas não é. Só faremos as pessoas ao nosso redor se sentirem felizes, se também estivermos felizes. Isso pode não ficar evidente no início, mas com o tempo é o que acontece.

     Com mais um romance, Dani Atkins consegue me surpreender e superar minhas expectativas. É uma autora que, a  cada trabalho, comprova seu imenso talento. E é com ansiedade que vou aguardar e torcer muito para que outros livros de sua autoria sejam lançados. 


Nota:     

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

[Sinopse] "Um Porto Seguro", por Nicholas Sparks

     Assim como "O Guardião", outro livro de Nicholas Sparks que ganha uma nova edição é "Um Porto Seguro". E dessa vez, a responsável pelo relançamento do livro é a editora Arqueiro. Em 2012, o romance foi publicado pela primeira vez no Brasil pela editora Novo Conceito. E em razão do lançamento do filme, ganhou uma nova edição com capa inspirada no cartaz do longa protagonizado pelos atores Julianne Hough e Josh Duhamel.

     Repleto de suspense e ação, "Um Porto Seguro" faz parte do grupo de obras do Sparks que fogem um pouco do estilo do autor, onde a tensão e o mistério se revezam nos momentos de romantismo e emoção. Algo semelhante ao que podemos conferir em "O Guardião" e "No Seu Olhar", por exemplo.

     A capa escolhida para a nova edição merece elogios. Além de se ajustar ao enredo de "Um Porto Seguro", segue ao padrão das obras mais recentes do autor. A nova edição será lançada no dia 12 de Setembro.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

[Sinopse] "O Guardião", por Nicholas Sparks

     Um dos melhores romances de Nicholas Sparks, "O Guardião" acaba de ganhar uma nova edição pela editora Arqueiro.

      Seu lançamento no Brasil aconteceu no ano de 2013, tornando-se um grande sucesso de vendas e de críticas positivas entre os leitores. Aliás, ele é um dos livros do Sparks mais bem avaliados na rede social Skoob.

     "O Guardião" foi um dos romances que mais me surpreenderam. Assim como "Um Porto Seguro" e o mais recente "No Seu Olhar", ele foge bastante do estilo que estamos acostumados a ver nos demais livros do autor, enveredando por um trajeto de investigação e muito suspense. Lembro que na segunda metade de "O Guardião", cheguei a me indagar se estava realmente lendo um livro do Sparks ou uma das obras de suspense de Harlan Coben (risos). Brincadeiras à parte, fiquei contente com o relançamento. Agora sim temos uma capa autêntica e mais condizente com a história e o título.

     O novo lançamento de "O Guardião" está marcado para o dia 12 de Setembro. Enquanto isso, você pode conferir as principais informações e a sinopse do romance:

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

[Resenha] "O Céu Está em Todo Lugar", por Jandy Nelson

      Primeiro romance da autora Jandy Nelson, "O Céu Está em Todo Lugar" foi publicado no Brasil pela editora Novo Conceito, em 2011. Nelson também é responsável pelo impressionante "Eu Te Darei o Sol", publicado pela mesma editora no ano passado. Ambos os romances são grandes sucessos de vendas e de críticas extremamente favoráveis.

      "O Céu Está em Todo Lugar" relata sobre as relações familiares, perda de entes queridos e, sobretudo, o processo de autoconhecimento. 

     Nele, conheceremos de perto os pensamentos e as experiências da protagonista Lennie – ou “John Lennon” (risos) –, que após a dolorosa perda de sua irmã mais velha, se vê diante de um turbilhão de sentimentos, onde a culpa entra em constante conflito com a paixão e o amor. Qual deles deve se sobressair?

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

[Resenha] "Baía da Esperança", por Jojo Moyes

     "Baía da Esperança", lançado no início do ano pela editora Intrínseca, é escrito por Jojo Moyes e foi publicado originalmente em 2007.

     Mesmo completando quase uma década desde o seu lançamento original, "Baía da Esperança" continua bastante atual, discutindo temas que são bastante polêmicos, como a preservação do meio ambiente, violência contra a mulher e ética.

     Com uma trama repleta de reviravoltas, Moyes nos leva à paradisíaca Silver Bay, na Austrália, para acompanhar uma história com personagens bem-humorados, intensos, carismáticos; e histórias emocionantes e surpreendentes.

      Confira a resenha de "Baía da Esperança", abaixo:

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

[Sinopse] "Justiça", de Manuela Dias


     "Justiça" é a próxima minissérie da Rede Globo, que estreia no dia 22. Escrita por Manuela Dias (autora de "Ligações Perigosas", exibida no início do ano), a produção conta com a direção artística de José Luiz Villamarim.

     Recife, PE, é a cidade onde se passa a trama de "Justiça". E é na "Veneza Brasileira" que se desencadearão quatro diferentes histórias, que se interligarão em determinados momentos. Cada dia da semana (segunda, terça, quinta e sexta) será dedicado a uma delas, exceto às quartas, pois nesse dia a minissérie não será exibida.

     A princípio não fiquei interessado por conferir a trama de "Justiça", embora tivesse certeza de que seria uma excelente produção, com grandes atuações. Manuela Dias demonstrou competência em "Ligações Perigosas", e somada à direção de Villamarim, responsável pela excelente produção da novela "O Rebu" (2014), não havia dúvidas quanto à sua qualidade.

     Mas o que realmente me chamou atenção na minissérie foi a história dos personagens Maurício e Beatriz, interpretados por Cauã Reymond e Marjorie Estiano. O tema que a história deles abordará, a eutanásia, em junção com história de vida deles, despertou um interesse instantâneo. Quero saber como se desenrolará essa trágica e comovente história...

     "Justiça" será exibida em 20 capítulos.